quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Último dia de inscrição para Prefeitura de Itaboraí

Concurso público promovido pela Prefeitura da Cidade de Itaboraí - no interior fluminense - com o objetivo de preencher 571 vagas no quadro de servidores do município. O prazo das inscrições encerra-se nesta quarta, dia 30.Sobre o processo seletivo. Total de oportunidades disponíveis: são 571 vagas efetivas. Salários: os vencimentos oferecidos variam de R$ 410,00 a R$ 2.500,00 .  Jornada de trabalho: carga horária entre 20 e 40 horas semanais

Ensino superior: - As oportunidades são para advogado, analista de sistemas, economista, engenheiro agrônomo, professor orientador educacional, professor supervisor educacional, professor coordenador pedagógico, psicólogo, analista previdenciário, assistente social, atuário, consultor técnico de previdência, contador, estatístico, médico auditor perito, procurador previdenciário, biólogo, fisioterapeuta pneumo-funcional, farmacêutico, odontólogo, terapeuta ocupacional, enfermeiro, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, veterinário e fiscal de tributos.
Níveis médio e técnic -  As chances são para os cargos de programador, técnico agrícola, técnico de controle interno, técnico de contabilidade, técnico de informática, agente comunitário de saúde, agente admininstrativo escolar, agente educativo de creche, instrutor e intérprete de libras, professor de especialização especial, guarda municipal músico, agente de aministração previdenciária, recepcionista, técnico administrativo previdenciário, técnico de comunicação social, desenhista, topógrafo, técnico de laboratório, técnico de hemotransfusão, técnico de ortese e prótese, guarda municipal, técnico em enfermagem, oficial administrativo e técnico de planejamento.

Ensino fundamental completo-- As oportunidades são para almoxarife, recepcionista, telefonista, agente de endemias, agente de vigilância, auxiliar de administração previdenciário, auxiliar de serviços gerais, motorista, bombeiro hidráulico, borracheiro, eletricista, eletricista de veículos, lavador/lubrificador, mecânico, mecânico de máquina pesada, motorista de caminhão, operador de máquinas, pedreiro, servente, soldador, ajudante, operador de bomba, encanador e operador de ETA/ ETE. Mais: www.tudosobreconcursos.com


Prova ABC em discussão


Nesta semana, a jornalista Carla Ramos recebe no estúdio as educadoras Valéria Querido e Mônica Melo, ambas da Secretaria Municipal de Educação. Elas comentam os resultados da Prova ABC, que avaliou pela primeira vez o desempenho de alunos do 3º ano do Ensino Fundamental de todo o Brasil. As Professoras falam das ações de combate ao analfabetismo funcional que a SME desenvolve desde 2009. Além disso, veja no programa como a professora Auzileia Correia – do GEC Mário Paulo de Brito, Irajá – usa materiais e filmes para discutir o bullying com seus alunos.Educação em Rede vai ao ar nesta quarta-feira (30), às 8h, com reprises quinta-feira (1º), às 13h, e sábado (3), às 11h, no canal 14 da NET.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Intercâmbio Brasil-Canadá

O intercâmbio fortalecerá o ensino profissional 
Educação Profissional- Brasil e Canadá querem fortalecer a educação profissional, promover pesquisas sobre o tema e criar uma política de intercâmbio entre estudantes e professores dos dois países. Esta é a orientação do documento assinado em Montreal, na última semana, durante o II Encontro Brasil-Canadá. A Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação e o Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif) representaram o Brasil, e a Associação dos Colleges Comunitários Canadenses, com mais de 150 instituições associadas, o Canadá.Em 2012,  os primeiros estudantes brasileiros deverão iniciar suas aulas em instituições canadenses, enquanto os institutos federais receberão alunos dos colleges comunitários canadenses. Com isto, estará dado o primeiro passo para a implantação do Programa Ciência Sem Fronteiras no âmbito da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. 

O documento de entendimento entre os dois países prevê que nos próximos cinco anos, serão desenvolvidas ações que permitam a mobilidade de estudantes e professores dos dois países, por meio da concessão de bolsas de estudos ou estágios. Com isto, os alunos da rede federal poderão realizar parte do curso ou estágio em instituição parceira no exterior, com o reconhecimento desses estudos pelos institutos federais de educação, ciência e tecnologia. Também serão beneficiados o intercâmbio de informações e o compartilhamento de experiências em políticas inclusivas.


Fonte: AI setec

domingo, 27 de novembro de 2011

Série debate TV e Educação

A TV na educação




A TV Escola do Ministério da Educação leva ao ar a partir do dia 29 (terça)  até 2 de dezembro, a série TV e Educação: Capítulos de uma História. Os episódios abordam a relação entre o audiovisual e a educação e indicam como a mídia, especialmente a televisão, pode produzir uma programação educativa. Produzida pela TV Escola, a série, que irá ao ar sempre às 19 horas, aborda aspectos da história e do desenvolvimento da televisão voltada para a educação. Mostra ainda a relação com o público de educadores e como os temas educativos são trabalhados na programação.
Ao debater o uso da TV  na educação — professores, gestores, alunos e comunidade, na relação desta com a escola —, os episódios mostram o desenvolvimento dos primeiros programas e as relações entre conteúdo educativo e formatos televisivos, como os telecursos e teleaulas. Aspectos como a repercussão da televisão na formação de professores e impacto do uso da TV em salas de aula também ganham destaque. Outra abordagem é a forma pela qual as aceleradas mudanças tecnológicas afetam a produção de programas e vídeos.
A série também apresenta a televisão como instrumento de debate no ambiente escolar, no qual questões de raça e etnia, gênero e diversidade cultural ganham espaço.
TV Escola pode ser sintonizada por antena parabólica digital ou analógica em todo o país e via internet. O sinal está disponível também nas operadoras de tevê por assinatura Via Embratel (canal 123), Sky (canal 112) e Telefônica (canal 694). 


Fonte: MEC

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Empresa pública administrará hospitais universitários

A Ebserh só depende da sanção presidencial
O Senado Federal aprovou no último dia 23, o Projeto de Lei nº 79/2011, oriundo da Câmara dos Deputados, que autoriza o governo federal a criar a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), destinada a administrar os hospitais universitários. O projeto, que segue para sanção presidencial, também altera o Código Penal ao tipificar como crime a fraude em concurso de interesse público. O objetivo da criação da empresa pública é modernizar a gestão dos recursos financeiros e humanos dos hospitais federais universitários. A Ebserh terá como finalidade, entre outras, a prestação de serviços gratuitos de assistência médico-hospitalar e laboratorial à comunidade, de apoio ao ensino e à pesquisa, ao ensino-aprendizagem e à formação de pessoal em saúde pública, além de apoiar a execução de planos de ensino e pesquisa de instituições federais de educação superior.


quinta-feira, 24 de novembro de 2011

História e cultura africanas chegam `a rede pública

As escolas públicas receberão no ano letivo de 2012 livros didáticos sobre a história e a cultura africana e afro-brasileira.  Serão distribuídas obras para alunos da educação infantil ao ensino médio. A proposta dessa iniciativa é proporcionar aos alunos a compreensão do desenvolvimento histórico dos povos africanos e de sua relação com outros povos, a partir de uma visão objetiva do continente africano.   

O material tem como referência os oitos volumes da coleção História Geral da África. Editada em português graças à parceria entre a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) e o Ministério da Educação, a obra completa foi enviada às bibliotecas públicas em 2011. As escolas receberão também dois livros síntese da obra completa da História Geral da África, com conteúdos relacionados à história, cultura, economia, política e arte.  

“Temos ainda no Brasil a cultura do embranquecimento da população e a negação de toda uma cultura afro-descendente que também construiu este país”, ressalta Viviane Fernandes Faria, diretora de políticas para educação no campo e diversidade do MEC. A inclusão da temática história e cultura afro-brasileira no currículo da educação básica das escolas públicas e particulares está prevista na Lei 10.639, de 2003.  Além da história da África e dos africanos, o conteúdo deve incluir a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional.  

A diretora diz ainda, que  existe uma grande diferença de escolaridade entre as pessoas, com mais de 15 anos, entre a população negra e os não negros. A escolaridade é de 8,4 anos de estudo entre os não negros e 6,6 anos entre os negros. “Só que apesar dessa diferença, o avanço na escolaridade dos negros tem sido mais rápido em relação à dos não negros. Enquanto que de 2004 a 2009 houve crescimento de 9% em anos de estudo entre os não negros, entre os negros foi de 14,5%”, compara.


 Viviane Faria observa que o Brasil tem uma dívida social com os afro-descendentes. “Se o analfabetismo é maior entre os negros e os maiores índices de pobreza estão entre os não brancos, vamos ver claramente que a pobreza e as dificuldades salariais e de acesso à universidade têm cor no Brasil. E essa cor é negra. Então precisamos, sim, enfrentar esse racismo na escola e na sociedade”, afirma. 

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Bolsa Formação Trabalhador chega aos beneficiários


Educação Profissional -Os primeiros beneficiários da Bolsa-Formação Trabalhador começam esta semana cursos de formação inicial e continuada (FIC), de curta duração, entre 160 e 400 horas-aula, nos estados do Amazonas, Ceará, Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraná, Paraíba, Piauí, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Roraima, Rondônia, Sergipe e Tocantins. Juntas, as 13 unidades da Federação oferecem 21,9 mil vagas em 950 cursos.

A seleção se deu através das  secretarias estaduais de Educação, que atuam com a pré-matrícula dos candidatos. Para iniciar a formação, eles tiveram de comparecer à instituição que ofertaria o curso e confirmar a matrícula. A previsão para este ano é de que sejam ofertadas até 40 mil vagas em cursos de FIC nas redes estaduais, federal e no Sistema S. 

O processo de pré-matrícula pelos órgãos parceiros (ministérios e secretarias Estaduais de educação, por exemplo) será adotado em todas as modalidades da Bolsa-Formação. A meta para o o ano que vem, é de ofertar até 500 mil vagas em cursos de FIC (Bolsa-Formação Trabalhador) e pelo menos 125 mil em cursos técnicos (Bolsas-Formação Estudante). Já estão pré-matriculados para a oferta de cursos técnicos cerca de 26 mil estudantes.

O estudante ou trabalhador que deseja entender e participar da Bolsa-Formação deve procurar a secretaria Estadual de educação, que pré-selecionará os interessados para o curso de FIC ou técnico. “Essa seleção ficará a cargo de cada estado, que, na sua autonomia, vai selecionar os estudantes de acordo com critérios próprios, como sorteio, prova, análise de indicadores socioeconômicos ou análise de currículo”, explica Patrícia Barcelos, diretora de integração das redes de educação profissional da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do MEC.

A Bolsa-Formação é uma das novidades trazidas pelo Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Por meio desta política pública, serão oferecidas vagas gratuitas de educação profissional e tecnológica em duas modalidades: Bolsa-Formação Trabalhador, com cursos de formação inicial e continuada para trabalhadores, beneficiários do seguro-desemprego e dos programas de inclusão produtiva do governo federal, entre outros; e Bolsa-Formação Estudante, que terá cursos técnicos (de maior duração, pelo menos 800 horas-aula) para estudantes das redes públicas.



Fonte:  AI - Setec

Censo aponta maior oferta de cursos presenciais noturnos

A oferta de matrículas em cursos presenciais no turno da noite cresceu de 56,1% em 2000 para 63,5% em 2010, segundo dados preliminares do Censo da Educação Superior divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep). As instituições de ensino superior públicas municipais e as particulares respondem pelos maiores índices.
Nesse período, as instituições municipais mantiveram em mais de 70% a oferta de matrículas em cursos noturnos — chegou a 76,2% das vagas em 2010. Já as universidades, centros universitários e faculdades particulares oscilaram entre 60% e 70% no período e alcançaram 72,8% em 2010.
As matrículas nas instituições federais de educação superior no turno da noite variaram positivamente nos últimos dez anos. Ficaram acima de 20% e alcançaram, em 2010, 28,4% em cursos presenciais.


Fonte:ascom 

domingo, 20 de novembro de 2011

Indicadores avaliam cursos e instituições de ensino



O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), do Ministério da Educação, divulga os indicadores de qualidade de cursos e instituições de educação superior. A avaliação é baseada na análise das condições de ensino, em especial aquelas relativas ao corpo docente, às instalações físicas, ao projeto pedagógico e ao resultado dos alunos no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade).

Veja a distribuição de instituições

Confira a tabela completa de cursos

Confira a tabela completa de instituições
 

Fonte: ascom






Birodigital.com@hotmail.com
.Pesquisas .Dissertação .Teses .Resenhas                        
.Pós-graduação .Tradução .Digitação .Revisão .
(21) 41036826





sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Saúde terá supervisão ampliada


O Ministério da Educação anunciou ontem, a ampliação de medidas de supervisão em instituições e cursos de educação superior. Neste ano, os processos de supervisão serão abertos em cursos da área de saúde que tiveram desempenho insatisfatório nos indicadores divulgados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep). É a primeira vez que as medidas atingem todos os cursos de uma área. A ação, que prevê a suspensão de vagas de ingresso em todos os cursos da área da saúde que obtiveram Conceito Preliminar de Curso (CPC) inferior a três, deverá ser publicada no Diário Oficial da União na próxima semana. Os primeiros atos publicados serão dos cursos de medicina.
A instituição de ensino superior que tenha obtido, no percurso de três avaliações, duas vezes o IGC insatisfatório (um a dois pontos), desde que o último índice seja insatisfatório, responderá a um processo administrativo de supervisão instaurado pelo MEC. Ao mesmo tempo, o Ministério publica medida cautelar (preventiva) que suspende a autonomia da instituição de forma imediata. Se for universidade ou centro universitário, é suspensa a autonomia, que compreende o congelamento do número de vagas (tendo por base o ano anterior) e a abertura de novos cursos. Além disso, a instituição assina termo de saneamento das deficiências, com prazo de duração de um ano. O mesmo rito vale para a faculdade, exceto na questão da autonomia, que ela já não tem.
Após o período de saneamento das deficiências, é verificado se a instituição cumpriu o que foi pactuado no termo de saneamento. Nos casos do cumprimento dos requisitos de qualidade, o processo é encerrado. Se não alcançou a meta estipulada, o MEC instaura um processo administrativo para descredenciamento da instituição ou encerramento do curso. Neste caso, os estudantes matriculados têm garantia de conclusão do curso, podendo também solicitar transferência para outra instituição e completar a graduação.
Desde 2006, a partir da edição do Decreto nº 5.773, que definiu as ações de avaliação, regulação e supervisão da educação superior, o Ministério da Educação deu início a processos de supervisão em cursos com resultados insuficientes nas avaliações. Os cursos de direito, medicina e pedagogia foram os primeiros a serem submetidos à supervisão do MEC.
Direito – A supervisão dos cursos de direito teve início em 2007 e verificou as condições de 79 cursos que apresentaram resultado insuficiente no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) de 2006. Os cursos firmaram termo de saneamento de deficiências com o ministério e, após o prazo de um ano, foram novamente avaliados. Nos casos em que não foram identificadas melhorias nas condições de oferta, foi determinada a redução de vagas ou o encerramento do curso. Essa supervisão já resultou na redução de, aproximadamente, 24 mil vagas de ingresso e o encerramento da oferta de quatro cursos.
Outra ação que resultou na suspensão de vagas em cursos de direito foi a adotada em junho deste ano. A partir dos resultados do Conceito Preliminar de Curso (CPC), o MEC determinou a suspensão de 10.912 vagas em 136 cursos que apresentaram conceito inferior a três. Ao todo, as medidas de supervisão em cursos de direito resultaram na suspensão de cerca de 34 mil vagas de ingressos em cursos com avaliação insuficiente.
Medicina – Em 2008 teve início a supervisão em 17 cursos de medicina que tiveram conceitos inferiores a três no Enade. Uma comissão de especialistas na área médica, presidida pelo médico Adib Jatene, foi formada para acompanhar o processo e supervisionar a qualidade dos cursos.
Os principais aspectos verificados pela comissão foram: a organização didático-pedagógica do curso; a integração do curso com o sistema local e regional de saúde; a carga horária que o aluno desenvolverá na rede do Sistema Único de Saúde (SUS); o corpo docente, incluindo titulação e regime de trabalho, a composição e atuação de núcleo docente estruturante, e as condições de oferta das disciplinas de práticas médicas, em especial o estágio curricular.
Após o prazo para cumprimento das medidas, o MEC determinou o corte de mais de 600 vagas nos cursos que não apresentaram as melhorias e garantias de qualidade exigidas.
Pedagogia . Iniciada em 2008, a supervisão envolveu 49 cursos de pedagogia e 11 de normal superior que obtiveram conceitos inferiores a três no Enade de 2005. Ao final do prazo do termo de saneamento de deficiências, os cursos que não cumpriram as determinações do MEC foram desativados e outros tiveram que reduzir vagas.
Supervisão . A supervisão de cursos e instituições é realizada pelo Ministério da Educação com o objetivo de garantir a qualidade do ensino superior. A partir da assinatura de protocolos de compromisso (termo de saneamento de deficiências), as instituições e cursos têm a possibilidade de promover melhorias em suas condições de oferta e com isso melhorar seu desempenho nas avaliações do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). Nos casos em que não são observadas melhorias, o MEC adota medidas para a redução de vagas ou encerramento da oferta, no caso dos cursos; e para o descredenciamento, no caso de instituições.

Fonte: Ascom


quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Alunos da Rede Estadual terão cartilhas sobre drogas



O Governo do Estado lançou nesta quarta-feira (16/11), no Colégio Estadual Jornalista Tim Lopes, no Complexo do Alemão, a cartilha "Tudo o que você pensa que sabe sobre drogas". A publicação - produzida pelo projeto Prisioneiros das Drogas em parceria com as secretarias de Ciência e Tecnologia, Educação, Saúde e Segurança e o Tribunal de Justiça - alerta os alunos para os perigos de entorpecentes como o crack, o álcool e até remédios controlados.
Duzentas mil cartilhas, financiadas pela Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), foram distribuídas para que os professores das escolas estaduais e da Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec) possam orientar seus estudantes sobre o tema. Segundo o secretário de Educação, Wilson Risolia, a expectativa é produzir mais um milhão e meio de publicações para distribuir a todos os alunos da rede.
- Desde o começo do ano, a Secretaria de Educação planejou todo o pacote de ações para os próximos onze anos em diversas dimensões, e uma delas é voltada para o aluno. Nossa preocupação é verificar quais as necessidades dos estudantes, por isso trabalhamos com programas de saúde. Por isso, precisamos enfrentar temas como as drogas de maneira objetiva e clara -,  disse Risolia. A cartilha de 32 páginas traz informações sobre todos os tipos de substâncias entorpecentes, aspectos legais e crimes ligados à droga, dependência química e como ajudar um usuário a se livrar das drogas. O livreto tem ainda endereços e telefones de clinicas e instituições que apóiam dependentes químicos. A outra  etapa do projeto será a distribuição, até o fim do ano, de vídeos educativos sobre o assunto.
- Queremos incentivar encontros de pesquisadores, professores e familiares de alunos para que o debate sobre a dependência das drogas seja ampliado. Os estudantes precisam saber que o caminho das drogas é fácil de entrar, mas difícil de sair. Queremos quebrar esse tabu de que não devemos falar muito abertamente sobre as drogas - disse o secretário de Ciência e Tecnologia, Alexandre Cardoso.

MEC libera verba para aumentar oferta do ensino técnico



O Ministro de Educação, Fernando Haddad,  já fechou acordos com governos estaduais de aproximadamente R$ 1,8 bilhão para expansão das redes de escolas técnicas por meio do programa Brasil Profissionalizado. O investimento resultou em 200 novas unidades e reformas em 500 outras. A iniciativa foi destacada pelo  MEC como um dos pilares da expansão da oferta de vagas no ensino técnico. O ministro abordou o assunto durante a abertura do seminário Ensino Técnico; uma Necessidade para o País, uma Alternativa                                      para os Jovens, promovido pela revista Carta Capital, dentro da Série Diálogos Capitais, em São Paulo. Haddad citou os estados de São Paulo, Ceará, Paraná e Pernambuco como exemplo de unidades federativas que têm ampliado as redes de educação profissional e participado da integração à expansão da oferta realizada pelo governo federal nos últimos nove anos. 
Aliado ao repasse de recursos aos estados, o ministro indicou outras duas ações fundamentais da expansão da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. A primeira delas, iniciada em 2005, com a aprovação de mudanças na legislação para permitir a ampliação da oferta de vagas. A outra, acordo firmado com o Sistema S, em 2008, de oferta gratuita de vagas em cursos técnicos. 
Haddad citou ainda a criação, em outubro último, do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), destinado a fomentar e apoiar a expansão da rede física de atendimento da educação profissional e tecnológica e contribuir para a melhoria da qualidade do ensino médio público. “O programa já teve um aporte de R$ 460 milhões este ano”, destacou Haddad. “Todas as ações criam a cultura de ensino técnico em tempo integral, com um impacto muito grande, atendendo à demanda da iniciativa privada e industrial, que clama por mão de obra qualificada.”
Com todo esse conjunto de ações, o ministro acredita que na próxima década o Brasil dobrará o número de matrículas nas redes de ensino profissional e tecnológico — de um milhão para dois milhões. “A nossa expectativa é que os jovens abracem esta iniciativa, formem-se de forma qualificada e passem a atuar no mercado de trabalho”, salientou o ministro. 
Rede — Um dos projetos estratégicos mais importantes na área do ensino no país, a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica contará, até 2014, com 562 unidades de ensino em todo o país. Até 2002, a rede contava com 140 escolas técnicas. Nos últimos nove anos, alcançou 402 unidades e expandiu o número de matrículas de 113 mil para 400 mil em cursos técnicos e de nível superior. 
A essa iniciativa vão se somar as ações do recém-criado Pronatec. Com esse programa, o governo federal, em colaboração com estados, Distrito Federal e municípios, dá continuidade à política de expandir, interiorizar e democratizar a oferta de cursos de educação profissional de nível médio.


Fonte Ascom

terça-feira, 15 de novembro de 2011

MEC convoca editoras de livros didáticos


O Ministério da Educação promove nesta semana (quinta-feira, 17), em São Paulo, reunião aberta às editoras de livros didáticos interessadas em participar do Programa Nacional do Livro Didático em 2014 (PNLD 2014). O programa irá selecionar, avaliar  e selecionar obras para estudantes dos anos finais do ensino fundamental. 

Os editores podem inscrever livros e coleções de língua portuguesa, matemática, ciências, geografia, história e língua estrangeira moderna (inglês ou espanhol).
Os livros inscritos serão avaliados, e aqueles que forem aprovados integrarão o Guia do Livro Didático 2014, que conterá um resumo das obras selecionadas para que professores e diretores possam escolher o que for mais adequado ao processo pedagógico de cada escola. O edital do PNLD 2014, publicado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) permite, pela primeira vez, que os editores apresentem objetos educacionais complementares no formato digital. Os conteúdos multimídia que forem aprovados devem entregues com os livros didáticos.
A pré-inscrição das obras no PNLD 2014 vai de 9 de dezembro de 2011 a 1º de maio de 2012,  e a entrega dos exemplares para avaliação, será de 7 a 11 de maio de 2012. Para efetuar o cadastro das obras, os detentores de direitos autorais devem acessar o portal do FNDE,  na internet Sistema de Material Didático (Simad).

Serviço: Local da reunião: Auditório da Editora Saraiva - Avenida Henrique Schaumann, nº 270, Pinheiros,  São Paulo - SP Dia: 17/11/11, às 14h30 . Maiores informações pelos telefones: 2022-8419 e 2022-8420
Fonte: Ascom

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Turismo e Megaevento


Reprod foto 
Semana de Turismo:a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) promove, no período de 21 a 25 de novembro, a 9ª Semana de Turismo com o objetivo de debater o tema “Turismo e Megaevento” ante o contexto atual do País de preparação para a Copa do Mundo e Jogos Olímpicos. Pesquisadores do INCT Observatório das Metrópoles, integrantes do projeto de pesquisa “Metropolização e Megaevento”, apresentarão no encontro os dados que já foram levantados sobre o tema.

A Semana de Turismo é um acontecimento anual destinado a alunos, professores, pesquisadores e profissionais do Turismo e áreas afins, com vistas a debater e compreender melhor o fenômeno turístico local, regional e nacionalmente.

Da programação  merecem destaque,  as conferências de avaliação crítica dos megaeventos e suas relações com o turismo no País. É o caso das participações do professor Christopher Gaffney (UFF), que apresenta a pesquisa “O mito do legado esportivo”; e da mestranda Érika Aleixo Ferreira Silva (IPPUR/UFJR), que aponta os resultados da investigação “As cidades que entretêm: a dimensão do turismo nos megaeventos esportivos” – ambos são pesquisadores do Observatório das Metrópoles.

Já o professor Alberto Oliveira (IPPUR/UFRJ) apresenta a conferência com o tema “Megaeventos: impactos econômicos, sociais e territoriais”; e a doutoranda do IPPUR, Nelma Gusmão de Oliveira, discute as “Relações de poder e interesses econômicos na produção dos megaeventos esportivos”.

sábado, 12 de novembro de 2011

Terceiro Setor -- Voluntariado


Gestão do trabalho voluntário em organizações sem fins lucrativos -- Um olhar sobre a obra da consultora Ana Maria Domeneghetti

                                                  -- Bruno Lopes  é gestor do Instituto Monitor

É notória a relevância que o terceiro setor vem ganhando na sociedade contemporânea. São muitos os assuntos e eventos  que pairam sobre esse tema, principalmente  com  a proximação da Conferência  Internacional do  Voluntariado --  marco da Década do Voluntariado (2001-2011) instituído pela Onu -, que acontecerá  em  dezembro em São Paulo , e que irá reunir  mais de 60 CVs de todo país,  resultando ,assim, numa verdadeira troca de experiências  e de um novo futuro para os voluntariados . Dentro deste contexto, aproveito a referência  para  falar do presente livro  da consultora do Terceiro Setor, Ana Maria Domeneghetti ,  que vem esclarecer e definir alguns conceitos importantes para o entendimento deste novo setor hoje. Nesse sentido, a primeira parte da obra de Ana Maria Domeneghetti, apresenta os conceitos e definições do terceiro setor, explicitando de forma didática a importância do mesmo para a sociedade. Além disso, apresenta  os  aspectos jurídicos que norteiam  este setor, mostrando, desta forma, as diferenciações entre associações e fundações. Partindo de arcabouços legais,  a autora explica as relações de trabalho dentro de uma ONG (Organizações não governamentais sem fins lucrativos), chamando a atenção quanto ao quadro de pessoas que compõem a equipe de trabalho, destacando os voluntários, haja vista que este tipo de pessoa só pode ser encontrado dentro do terceiro setor, e é  de suma importância para o seu funcionamento.
Ana Domeneghetti  faz questão de pontuar os sentimentos e razões que movem o ser humano e leva-o para o trabalho voluntário. Foi mostrado que o amor é  mola propulsora do trabalho social e as religiões contribuem de forma significativa para que isso ocorra, transformando o bom sentimento em caridade. Ainda analisando o trabalho voluntário, a autora apresenta um estudo onde mostra que os voluntários são diferentes, ou seja, dependendo de sua etnia, cultura e forma de viver,  suas ações voluntárias seguem um ou outro caminho. Um exemplo disso está no voluntário brasileiro, que se movimenta muito mais pelo paternalismo e está, na maior parte das vezes, ligado à caridade. Em contrapartida, os norte-americanos praticam trabalhos voluntários muito mais pelo amor à pátria e ao nacionalismo. Independentemente do motivo que leva uma pessoa a tornar-se voluntário, o fato é que este tipo de trabalho conduz  à  longevidade. Além disso, foram apresentadas, as ações vencedoras do voluntariado e alguns conceitos importantes para a compreensão desta atividade.
Neste cenário, a autora mostra formas de gerir com excelência,  os voluntários dentro de uma organização, ou seja, mesmo sendo um trabalho que não possui fins materiais, o trabalho voluntário deve se profissionalizar, assim como todo o terceiro setor. Deve-se criar um departamento específico do voluntariado, com filosofia, missão e objetivo claro e alcançável. Seguindo essa linha, foi apresentada a definição de gestão e estratégias para a implantação do departamento de voluntários, reforçando a importância do planejamento em todas as etapas do processo. Para  a consultora Ana Maria Domeneghetti, esse processo possui duas partes principais: o âmbito filosófico estratégico e âmbito tático operacional. O primeiro está mais voltado para o planejamento do departamento e o segundo relaciona  a questões praticas e ações concretas. A autora apresenta também algumas sugestões de captação de recursos, ferramentas de marketing, códigos internos de premiação, entre outros aspectos que podem
ser utilizados para tornar a organização mais profissional. Face ao exposto, a autora finaliza sua obra informando que atualmente o grande desafio das organizações é manter os voluntários, ou seja, motivá-los a continuarem atuando nas ações sociais. Uma forma de superar esse desafio é estruturar a organização de modo eficiente e profissional.  
* Ana Maria Domeneghetti é consultora do Terceiro Setor, professora do curso de Administração de empresas da Puc - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, professora do curso de pós-graduação lato sensu em Terceiro Setor e autora do livro Voluntariado: gestão do trabalho voluntário em organizações sem fins lucrativos. 
*Nota. Conferência Internacional de Voluntariado - a Década do voluntariado. O evento espera contar com  a presença de mais de 60 CV’s, e como parte de seu público, as  empresas, governos, ONGs e voluntários, espalhados pelo país.  Os  temas abrangem todas as perspectivas do voluntariado, e facilitarão a  troca de experiências ,  conhecimentos e definições de novos arranjos para o voluntariado. O evento ocorrerá em São Paulo, entre 15 e 17 de dezembro  de 2011.

Educação Profissional e Ensino Médio em dois turnos

Com a abertura do seminário de Educação Profissional e Ensino Médio, concluído na sexta-feira, (dia 11) em Brasília, o Ministério da Educação iniciou o debate sobre a ampliação da oferta de ensino técnico concomitante, modalidade em que o aluno cursa o ensino regular em um turno e a formação profissional em outro. 

Com isso, um grupo de trabalho formado por membros das secretarias estaduais de educação, do Sistema S e dos institutos federais de educação, ciência e tecnologia discutirá a articulação entre as instituições que ofertarão o ensino profissional e médio. Os estudantes dessa modalidade de ensino serão beneficiários da Bolsa-Formação, por meio do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e ao Emprego (Pronatec).

O acontecimento reuniu mais de 250 participantes que disccutiram estratégias para a modificação do currículo no ensino médio nas escolas que aderirem ao projeto, criação de grupos de trabalho, democratização do acesso e permanência, além de assistência estudantil.

De acordo com o secretário de educação profissional e tecnológica do MEC, Eliezer Pachaco, “nos últimos anos o Brasil conseguiu desenvolver um projeto extremamente consistente de educação profissional. É certo que com esses passos escrevemos uma página importante na história do país”.

Além dos estudantes, serão prioritários no programa os trabalhadores beneficiários do seguro-desemprego e dos programas de transferência de renda do governo federal. Também serão atendidos jovens em conflito com a lei, quilombolas e ribeirinhos.

A diretora de integração das redes de educação profissional e tecnológica, Patrícia Barcelos, destaca a abrangência do Pronatec. “O Pronatec é um programa nacional que sistematiza e integra todas as ações da educação profissional. Ele tem a função de potencializar a capacidade instalada dos sistemas de ensino técnico”, explica. 

Modelos - Durante o evento também foram apresentadas experiências. Uma delas acontece em Porto Alegre, no bairro Restinga. Nesta localidade, 29 estudantes da Escola Estadual Raul Pilla têm acesso ao curso de manutenção e suporte em informática, com carga horária de mil horas, distribuídas ao longo de um ano e meio, na modalidade concomitância externa (aulas do curso técnico aplicadas no turno inverso ao do ensino regular). As aulas técnicas são realizadas no campus Restinga do Instituto Federal do Rio Grande do Sul. 

Outra experiência de trabalho conjunto acontece em Sergipe. Lá, desde 2010, são ofertados pelo Senai, cursos de técnico em administração, para 30 alunos do Colégio Estadual João Alves Filho, e de técnico em segurança do trabalho, para 30 alunos do Colégio Estadual Presidente Médice. 

Além disso, outros 100 alunos da rede estadual têm acesso a cursos técnicos em zootecnia e em agropecuária no campus São Cristovão do Instituto Federal de Sergipe. A diretora do serviço de educação profissional em Sergipe, Rivânia Andrade, destaca o trabalho para a implantação deste tipo de projeto. “Considero essas parcerias exitosas, pois trabalhamos desde o planejamento. Todas as ações da concomitância foram realizadas pelas equipes pedagógicas e professores das instituições envolvidas”, afirma.

Entre 1995 e 2005, o Brasil gerou 17,5 milhões de vagas em empregos formais, mas somente 1,8 milhão foram preenchidas por pessoas com até 24 anos. Um dos objetivos da atual política de educação profissional é qualificar os jovens para ocupar os postos de trabalho que necessitam de mão de obra especializada. Em 2010, as matrículas no ensino técnico ultrapassaram a marca de 1 milhão, de acordo com o censo da educação básica. Em torno de 19% dessas matrículas pertencem à modalidade concomitante e o restante está distribuído entre o técnico subsequente (62%) e o técnico integrado (18,9%).  

sexta-feira, 11 de novembro de 2011




Onde Doar- - - - - - - - - - - - - - - -
O HEMORIO localiza-se na Rua Frei Caneca, 8, Centro - Rio de Janeiro
Horário de funcionamento: todos os dias de semana, de 7 às 18 horas, inclusive finais de semana e feriados.


Como chegar ao HEMORIO: ( Mapa do Hemorio)

MEIOS DE TRANSPORTE
Veja outros Serviços da Hemorrede do Estado do Rio de Janeiro onde você também pode doar sangue.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Aberta inscrição para a Mostra de Cinema Independente


Os filmes serão exibidos durante a 2°Conferência do Desenvolvimento (Code), em Brasília. A primeira edição da Code, em 2010, reuniu 8 mil pessoas

A Mostra de Cinema Independente é uma iniciativa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) para dar voz e visão à produção independente nacional de filmes. Serão selecionados 30 filmes entre curtas (com duração de cinco minutos a 20 minutos) e longas metragens (a partir de 70 minutos), em qualquer gênero (ficção, animação, documentário, experimental), com finalização digital.
O requisito obrigatório das obras audiovisuais é a realização com produção independente, sem a obtenção de incentivos públicos. Os filmes serão exibidos em uma sala de projeção (casulo) durante a 2° Conferência do Desenvolvimento, nos dias 23 a 25 de novembro, no Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade, em Brasília.
Inscrições
As inscrições podem ser feitas entre 24 de outubro e 11 de novembro de 2011, considerando a data da postagem. Confira oregulamento com as disposições gerais e critérios de seleção e acesse a ficha de inscrição.
A Mostra tem caráter apenas exibidor, com objetivos culturais de divulgação da produção audiovisual independente, sem premiação e vínculo comercial. Ao final, haverá uma mesa de debate sobre as leis de incentivo ao audiovisual e sobre a participação de conteúdo independente nas janelas televisivas.
A Mostra tem, ainda, os objetivos da própria Conferência, que pretende criar um espaço nacional de debates sobre o desenvolvimento do Brasil, de forma aberta a estudantes, profissionais, agentes públicos, estudiosos, pesquisadores, especialistas, professores, legisladores, entre outros.
O acontecimento faz parte da 1° Série de Mostras de Cinema da Conferência do Desenvolvimento, que apresentará também outras exibições: "Festival do Minuto", "Banco do Nordeste de curtas-metragens", "Outros Fazedores de Cinema" e "Cineclubes Brasileiros".
Mais informações: mostracode@ipea.gov.br
Fonte: IPEA

ProUni anuncia concorrência para novas adesões

Candidatos de baixa renda serão beneficiados
As instituições de educação superior interessadas em participar do próximo processo seletivo do Programa Universidade para Todos (ProUni), referente ao primeiro semestre de 2012, têm até 2 de dezembro para emitir o termo de adesão. No caso, aquelas que  já participam do programa, deve ser emitido o termo aditivo, no mesmo prazo.

O ProUni (criado em 2005) já concedeu 919 mil bolsas de estudos integrais e parciais. O programa oferece a estudantes de baixa renda cursos de graduação em instituições particulares de ensino superior. Podem concorrer às bolsas pessoas que tenham concluído o ensino médio, feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e obtido, no mínimo, média de 400 pontos, além de nota, mesmo que mínima, na redação.

Para concorrer à bolsa integral, o candidato precisa comprovar renda familiar, por pessoa, de até um salário mínimo e meio; para bolsa parcial (50% da mensalidade), de até três salários mínimos. Além de ter feito o Enem, o candidato deve ter cursado todo o ensino médio em escola pública ou, em caso de escola particular, ter estudado na condição de bolsista integral. Não precisam comprovar renda comprovar renda os professores das redes públicas estaduais e municipais, em efetivo exercício do magistério, que concorrem a bolsas em cursos de licenciatura, de pedagogia ou normal superior.

A emissão dos termos de adesão pelas instituições de ensino deve ser feita no Sistema Informatizado do ProUni (Sisprouni). A Portaria Normativa nº 22, que define as regras para adesão ao programa, foi publicada na terça-feira (dia 8), no Diário Oficial da União.

Fonte: Sesu

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

A vez da avaliação do ensino básico

Prova Brasil: 230 municípios incluídos
ontem, em todo o Brasil, e se prolonga até o dia 18, a aplicação das provas do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), de acordo com a data especificada para cada escola. Cerca de 6,2 milhões de estudantes de 71 mil unidades de ensino públicas e particulares participam da avaliação, em 5.538 municípios. Os resultados serão divulgados em julho do próximo ano.  

O exame é  realizado pelo  Inep, e composto pela Avaliação Nacional do Rendimento Escolar (Anresc), nacionalmente conhecida como Prova Brasil, e pela Avaliação Nacional da Educação Básica (Aneb). O objetivo das provas é aferir a real situação do sistema educacional brasileiro a partir da avaliação de desempenho dos estudantes e fazer o levantamento de informações sobre escolas, professores e diretores.

A Prova Brasil é dada em escolas públicas urbanas e rurais que tenham no mínimo 20 estudantes matriculados no quinto e no nono anos (quarta e oitava séries) do ensino fundamental. A Aneb avalia as redes pública e particular de ensino e abrange o terceiro ano do ensino médio. Nesta edição do Saeb cerca de 1,9 mil escolas particulares participam da avaliação.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Acesso de universitários cresce em dez anos

O Brasil tem 6,5 milhões de universitários, sendo 6,3 milhões em cursos de graduação e 173 mil na pós-graduação. O crescimento das matrículas em 2010 foi de 7,1% em relação ao ano de 2009, segundo dados preliminares do censo da educação superior divulgados nesta segunda-feira, 7. De acordo com o ministro da Educação, Fernando Haddad, a década 2001-2010 fecha mais do que dobrando o número de universitários no país.
“Talvez esta tenha sido a melhor década, do ponto de vista de acesso à educação superior, em todos os tempos, tanto em termos relativos como absolutos”, disse. Quando comparou o número de estudantes que concluíram cursos de graduação em 2001 com os resultados obtidos em 2010 – de 390 mil (2001) para 973,8 mil (2010), o ministro ressaltou que praticamente “nós triplicamos o número de pessoas formadas em nossas universidades”. 
Esses estudantes estão matriculados em 29.507 cursos de graduação presenciais e a distância, distribuídos em 2.377 instituições de ensino superior públicas e privadas.

Equilíbrio – Os dados preliminares do censo da educação superior de 2010 também mostram que a distribuição regional na década ficou mais equilibrada. A região Nordeste, por exemplo, tinha 15% das matrículas em 2001 e alcançou 19%, em 2010; e a região Norte, que tinha 4,7% das matrículas, termina a década com 6,5%.
Na avaliação dos dados, o ministro Fernando Haddad destacou que a promessa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de dobrar o ingresso de estudantes nas universidades federais em seus oito anos de mandato (2003-2010) foi levemente superada. Em 2002, ingressaram em cursos de graduação nas universidades federais 148,8 mil alunos e, em 2010, esse número chegou a 302,3 mil.

O censo também mostrou que a educação presencial e a distância atende pessoas com perfis diferentes. A idade média dos alunos matriculados em cursos presenciais, por exemplo, é de 26 anos e na educação a distância, 33 anos. Segundo Haddad, a educação a distância cresce e atinge outro público que de outra forma talvez não tivesse acesso à educação superior.

Licenciaturas – O censo da educação superior registrou aumento de ingresso em cursos de licenciatura. Em 2010, um quinto das matrículas totais da graduação, incluindo cursos presenciais e a distância, está nas licenciaturas. Elas representam 21,1% do total de matrículas.
Haddad destacou que nas disciplinas onde há falta crônica de professores, o país teve, na década, uma expansão nas matrículas e no número de concluintes. Enquanto em 2001 concluíram cursos de biologia 78 mil estudantes, em 2010 foram 160 mil; em física esse número passou de 18 mil (2001) para 42 mil (2010); em matemática, os concluintes passaram de 60 mil para 86 mil, e em química, de 26 mil para 53 mil.
Censo – A coleta de dados do censo da educação superior realizada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) é anual e compreende informações sobre as instituições de ensino superior, cursos de graduação presencial e a distância, cursos seqüenciais, vagas oferecidas, matrículas, número de estudantes ingressantes e concluintes. Traz, ainda, dados sobre os docentes - formação e titulação acadêmica, se atuam instituições públicas ou privadas, quantos são, entre outros dados. 

Fonte: Ascom/